Caminhão da Samsung com câmera poderia ser implantado no Brasil

0
210

Nessa semana, a empresa Samsung mostrou sua nova invenção, o “Samsung Safety Truck, um caminhão de carga com câmera frontal que se conecta a quatro telas instaladas na porta traseira do veículo, permitindo o motorista de trás ver o que está acontecendo na estrada, melhorando a vista e facilitando ultrapassagens, sem provocar acidentes. À noite, é possível ver o trânsito devido a luz de visão noturna.

A ideia já havia sido implementada em 2009 pela empresa russa Art Lebedev, com o projeto Transparentius, cuja função era colocar câmera de grandes caminhões que andavam lentamente pela estrada, instalando monitores atrás, informando os carros se poderiam ou não ultrapassar. A Samsung aproveitou a ideia e instalou câmeras sem fio na na frente e melhorou o sistema.

O caminhão foi projetado com o intuito de diminuir o número de acidentes nas estradas. Uma pesquisa feita pela própria empresa assustou os cidadãos da Argentina, que tem a margem de um acidente de um carro por hora. É esperado que o veículo seja adotado pelo país para frear esse número.A empresa coreana ainda está esperando aprovação dos países para regulamentar o caminhão, mas a ideia pode ser cara. Não pela câmera sem fio, mas pelas quatro telas grandes que precisam ser instaladas na parte traseira. Um investimento alto para qualquer empresa do ramo, ainda mais porque não leva um benefício financeiro.

Mas no Brasil, o caminhão também pode salvar vidas. De acordo com  o portal JusBrasil, o país é o x em números de morte no trânsito, atrás apenas da China, Índia e Nigéria. O país não bateu a meta estipulada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em reduzir pela metade o número de mortes, com 44 mil óbitos, sendo muitas delas ocasionadas pela ultrapassagem. Uma das formas de reverter esse quadro, seria a agilidade em socorrer as vítimas e levá-las aos postos de atendimento mais próximo. Mas o principal precisa ser estimulado: a consciência no trânsito.

O Brasil tem o prazo até 2020 para mudar a história nas estradas.

Responder