Comer doces não é tentação, é necessidade!

0
159

Você é aquele tipo de pessoa que não vive sem doces?

Pois saiba que essa vontade não é apenas uma tentação, a qual você não consegue resistir, mas uma necessidade fisiológica. O açúcar é o principal alimentos das nossas células cerebrais, os famosos neurônios

Além disso, para que o corpo se mantenha vivo, ele precisa dessa substância. Ou seja, comer um docinho de vez em quando não faz mal à saúde e sim o contrário. Algumas pessoas não sabem, mas depois de 5 minutos sem glicose, o organismo para de funcionar e a pessoa morre.

É claro que fazer exercícios físicos é muito importante, inclusive para acelerar a absorção do açúcar. E é importante ressaltar que qualquer coisa feita com exagero faz mal à saúde, principalmente comer. Então, deve-se comer doce com moderação. A boa notícia é quanto menos a gente come, menos vontade a gente fica de ingerir o açúcar.

O problema é que não é fácil simplesmente diminuir a quantidade de doces que comemos, afinal, a glicose nos dá uma sensação de felicidade e prazer, funcionando como uma defesa contra o estresse, já que mexe com a dopamina e a serotonina do nosso organismo. Os carboidratos também têm esse efeito anti estresse, mas o doce chega mais rápido à corrente sanguínea, dando uma sensação quase instantânea de prazer.

Você já reparou quanto nossa vontade de comer doces aumenta muito depois de fazermos refeições mais pesadas, como o almoço e o jantar. O que ocorre é que o alimentos demoram mais para serem processados, nosso corpo continua com fome e a lembrança daquele docinho fica praticamente irresistível. A dica para diminuir essa vontade é comer alguma fruta antes de fazer essas refeições.

Mas é preciso ficar atento, pois quando a pessoa ingere açúcar, ele resulta em pico de insulina, o que dá uma sensação de energia que dura pouco. Logo depois vem a fome novamente e se a pessoa continuar comendo doces, ela pode acostumar o pâncreas a produzir altos níveis de insulina, desregulando o corpo, podendo causar diabetes e obesidade.

Responder