Empresa planeja ressuscitar humanos com inteligência artificial até 2045

0
214

No melhor estilo “Inteligência Artificial” de Spielberg e “Blade Runner” de Ridley Scott, a empresa chamada Humai anunciou sua intenção de ressuscitar os mortos armazenando suas memórias usando a inteligência artificial para devolvê-los para a vida. No futuro, é claro!

Mas, mas, mas… Como é? O quê?

No momento a quantidade de detalhes sobre este projeto ambicioso ainda é escassa- ainda não temos certeza se é ou não uma jogada de marketing ou enganação pura. De qualquer forma, a empresa diz que quer armazenar os “estilos de conversação, padrões de comportamento, processos de pensamento e informações sobre como seu corpo funciona de dentro para fora” em um chip de silício utilizando tecnologia artificial e nanotecnologia, de acordo com seu site.

Estas informações seriam então “codificadas em múltiplas tecnologias de sensores, que serão construídos em um corpo artificial com o cérebro de um ser humano falecido.” – Palavras deles, não nossas!

Em uma entrevista para o site PopSci, o CEO e fundador da Humai, Josh Bocanegra, disse – “acreditamos que podemos ressuscitar o primeiro ser humano dentro de 30 anos”. Ele também contou sobre o processo, dizendo que irá usar a tecnologia de criogenia para congelar e armazenar o cérebro após a morte, mantendo o mesmo seguro até que a tecnologia esteja pronta para “inseri-lo” em um corpo artificial.

Em declarações à IEET (Instituto de Ética e Tecnologias Emergentes), Bocanegra acrescentou que, embora outras empresas de inteligencia artificial estejam tentando fazer versões virtuais de pessoas depois que morrem, o seu projeto foi o primeiro a realmente trazer as pessoas de volta à vida. “Eu não acho que lápides, fotos, vídeos, ou mesmo que as nossas próprias memórias sejam as melhores maneiras de lembrar alguém que já faleceu”, disse ele. “Em vez disso, eu acho que uma versão artificial inteligente do seu ente querido, cujo você possa interagir por texto e voz, é mais desejável.”

Polêmicas à parte, o jeito é ficar de olho nessa empresa nos próximos anos e saber se isso será possível ou não!

Responder