Extrato de cannabis pode ajudar pacientes com epilepsia

0
156

Um medicamento feito à base de cannabis pode ajudar no tratamento de pessoas com epilepsias graves que não conseguem se curar completamente com outros tratamentos, diz um novo estudo, onde 137 pessoas (entre crianças e adultos) foram analisadas. Todos os participantes haviam sofrido epilepsias graves, uma condição que causa convulsões. Os pacientes utilizaram um extrato feito de plantas de cannabis diariamente durante 12 semanas, e em meio a esse tempo, o número de convulsões que eles experienciaram caiu em uma média de 54%.

Os pesquisadores garantem que os participantes sabiam que estavam recebendo o extrato, e o estudo não incluiu um grupo de comparação com pessoas com a mesma condição e sem o tratamento com cannabis. “Ainda que essas descobertas sejam promissoras, mais pesquisas são necessárias, como ensaios randomizados controlados para ajudar a eliminar a possibilidade de um efeito placebo”, disse o autor do estudo, Orrin Devinsky, diretor da New York University Langone Comprehensive Epilepsy Center.

O principal ingrediente na droga que fora dada aos participantes era o canabidiol, um composto que não tem propriedades psicoativa. As pessoas que estavam envolvidas no estudo já haviam tentado outros tratamentos para a epilepsia, como drogas antiepilépticas, mudanças na dieta, cirurgias e outras terapias. De acordo com o portal americano ‘LiveScience’, Devinsky disse que “cerca de um terço dos pacientes com epilepsia não respondem aos medicamentos”.

Uma publicação do ‘LiveScience’ relata que 213 participantes faziam parte do estudo no começo deste, mas alguns acabaram desistindo após a marca da 12ª semana. Entre essas, 12 desistiram por conta dos efeitos colaterais da droga. De forma geral, mais de 10% das pessoas no estudo sofreram com efeitos colaterais. A sonolência afetou 21% das pessoas, enquanto 17% experienciaram diarreia e fadiga e 16% disse que seu apetite diminuiu.

Estudos formais com extrato de cannabis foram escassos até o momento, e de acordo com os pesquisadores, ainda não está claro como exatamente ele ajuda no tratamento de pessoas com epilepsia. Um dos mecanismos que podem estar envolvidos pode estar relacionado a um receptor chamado GPR55, que pode ser “disparado” pelo canabidiol e afeta a atividade de células nervosas. [LiveScience]

Responder