Formas de vida baseadas em metano podem existir em Titã

0
176

Quase todos os organismos vivos na Terra têm estruturas à base de água em torno de suas células chamadas bicamadas de fosfolipídios. Estas mantêm a água dentro (ou fora), e abrigam o interior de suas células do resto do mundo. Agora, de acordo com um estudo baseado inteiramente em modelos de computador, pequenas moléculas em ambientes livres de oxigênio podem ser capazes de formar compartimentos que se assemelham a estas membranas lipídicas. Os resultados, publicados na revista Science Advances na semana passada, dizem que a vida, “mas não como a conhecemos”, – é possível em mundos sem oxigênio. Ela só tem de ser composta de células à base de metano.

Os astrônomos procuram por sinais de vida extraterrestre (e lugares onde a humanidade pode colonizar um dia) focando na zona habitável, uma área estreita em torno da estrela onde a água líquida pode existir. No entanto, se as células não forem baseadas em água, mas sim em metano, a zona habitável passa ser muito mais distante da estrela, permitindo a existência de vida mesmo em mundos extremamente frios, como Titã, uma das luas de Saturno. A lua gigante é repleta de mares de metano líquido e não tem nenhum oxigênio disponível para a formação de uma membrana de bicamada lipídica.

Usando simulações de computador, uma equipe da Cornell liderada por Paulette Clancy criou um modelo livre de oxigênio à base de metano para a vida. Vesículas feitas de membranas de dupla camada de fosfolipídios são chamadas lipossomas. Assim, a equipe criou uma membrana celular teorizada chamada “azotosome”. Azotosomes são feitos a partir de azoto, carbono, e moléculas de hidrogênio conhecidas por existir nos mares deTitã, e mostram a mesma estabilidade e flexibilidade que os lipossomas fazem, com uma maior exceção: A membrana celular é capaz de funcionar em temperaturas de metano líquido em até 180 graus abaixo de zero.

Quando a equipe selecionou compostos candidatos presentes em Titã, eles encontraram o mais promissor: acrilonitrila – um composto incolor, líquido e orgânico utilizado para criar fibras acrílicas, resinas e termoplásticos. Um azotosome acrilonitrilo fornece boa estabilidade, uma forte barreira para a decomposição, e uma flexibilidade semelhante às nossas membranas fosfolipídicas.

Inspirado por Isaac Asimov, o co-autor James Stevenson diz: “O nosso é o primeiro projeto concreto de vida como nós não a conhecemos.” [IFLScience]

Responder