Misterioso nevoeiro em Marte é descoberto por astrônomo amador

0
159

Um nevoeiro de um material misterioso atingindo a atmosfera superior marciana tem intrigado cientistas – que têm muito a agradecer a um astrônomo amador.

Wayne Jaeschke é um advogado de patentes durante o dia, mas na maioria das noites, você pode encontrá-lo em seu observatório, apontando um telescópio para o céu. Em março de 2012, Jaeschke avistou o que parecia um nevoeiro de poeira aparecendo sobre a superfície de Marte. Dois anos depois, ele é um co-autor em um artigo científico investigando a natureza das nuvens desconcertantes.

“Você sabe que 999.999.999 vezes que os astrônomos amadores veem algo em uma foto astronômica, os profissionais já viram ou têm uma teoria para explicar”, disse Jaeschke. “Mas este é um caso raro em que ninguém foi capaz de explicar.”

Exército de astrônomos amadores

Jaeschke começou a observar o céu quando ele era apenas um garoto. Ele aprendeu sobre o cosmos a partir de um amigo da família que passou a liderar o departamento de astronomia na Universidade de Stanford. Embora ele nunca tenha exercido a astronomia como uma carreira, ao longo dos anos ele desenvolveu a paixão como um hobby sério.

“Cerca de 10 anos atrás, eu passei a fazer imagens dos planetas em uma base diária”, disse Jaeschke.

Graças à redução do custo de câmeras de alta qualidade, armazenamento de dados, software de edição de fotos – e, claro, telescópios de qualidade – os astrônomos amadores como Jaeschke podem registrar imagens de alta qualidade a cada noite, e gradualmente construir grandes volumes de dados.

Ao longo dos anos, Jaeschke construiu uma lista de e-mails de astrônomos amadores e profissionais que queriam ouvir sobre o seu trabalho.

“Quanto mais dados você produz, mais as pessoas se interessam – especialmente os profissionais, porque eles não podem olhar [os planetas] o tempo todo”, disse Jaeschke. “Então, eles se voltam para a comunidade amadora.”

Astrônomos profissionais podem usar estas fotografias diárias para fazer coisas como monitorar mudanças diárias no clima do planeta, disse ele. Em alguns casos, os profissionais e amadores colaboram em observações direcionadas.

Na noite de 19 de março de 2012, Jaeschke estava registrando imagens de Marte em sua rotina habitual, quando notou “uma pequena mancha” no lado do planeta. Ele achava que era uma questão técnica – talvez um problema com um dos monitores, ou mesmo apenas uma partícula de poeira em uma das lentes.

“Eu registrei uma série de imagens consecutivas ao longo do tempo e criei uma animação”, disse Jaeschke. “Quando vi que a característica estava girando com o planeta, eu sabia que era algo sobre a superfície de Marte.”

Jaeschke enviou as imagens para a sua lista de e-mails e postou sobre elas em fóruns de astronomia. Ele perguntou se alguém tinha visto a mesma coisa. Tanto os astrônomos amadores quanto os profissionais começaram a responder.

“Eu perguntei a pessoas que tinham fotos de Marte para verificar os seus dados, e muitas pessoas postaram as imagens e disseram: ‘Sim, eu notei isso também”, disse Jaeschke. “Com esta comunidade, você tem esse exército de astrônomos amadores”.

Eventualmente, Jaeschke recolheu 18 observações independentes, e confirmou a presença das estranhas plumas marcianas. A descoberta foi tão extraordinária que, como Jaeschke, muitas pessoas tinham assumido que era um grão de poeira ou um problema com o equipamento.

Mistério

Agustin Sánchez Lavega, um pesquisador da Universidade do País Vasco, na Espanha, manteve contato com Jaeschke por cerca de quatro anos. Lavega viu as fotos e, juntamente com um pequeno grupo de colegas, começou a investigar.

Assim como Jaeschke e os astrônomos amadores, os cientistas primeiro focaram em determinar se o nevoeiro era um erro – por exemplo, uma ilusão causada pela luz, ou um problema com a tecnologia.

“Nós tivemos que verificar isso de novo e ver se era real”, disse Antonio García Muñoz, pesquisador da Agência Espacial Europeia e um co-autor do novo estudo. “Eventualmente, chegamos à conclusão de que isso é real e nós temos que levar a análise adiante. Ficamos muito animados. Quero dizer, nós não sabemos o que estamos vendo.”

O novo estudo, publicado na edição de 16 de fevereiro da revista Nature, confirma que o nevoeiro é uma característica real em Marte. Ele atinge altitudes de até 250 quilômetros acima da superfície do planeta, e cobre uma área de até 500 km por 1.000 km. Ele permaneceu visível por 10 dias, mas mudou de forma ao longo desse tempo.

A 250 quilômetros acima da superfície marciana, acredita-se que a atmosfera de Marte seja extremamente fina, de acordo com García Muñoz. A fina atmosfera não pode manter as partículas de material, o que significa que as nuvens de poeira ou outras moléculas pesadas não podem se formar. Por esta razão, os pesquisadores dizem ter rejeitado principalmente a ideia de que o nevoeiro foi causado por um meteorito colidindo com a superfície do planeta.

A ideia de que o nevoeiro é, na verdade, uma nuvem de água ou dióxido de carbono tem problemas, tanto em relação à espessura quanto a temperatura da atmosfera de Marte.

Uma explicação alternativa é que o nevoeiro foi causado por uma aurora, assim como as auroras boreais e austrais da Terra. Os cientistas têm observado auroras em Marte – de fato, o local de observação é um ponto em que já foram observadas atividades aurorais. Mas mais uma vez, García Muñoz disse, auroras geralmente ocorrem em altitudes muito mais baixas do que onde o nevoeiro foi localizado.

Por enquanto, os pesquisadores não podem explicar o mistério. [Space]

Responder