Nomofobia e cibercondria, 2 condições que você pode ter e não faz idéia

0
168

Você já tentou deixar o seu telefone celular em casa alguma vez? Foi horrível, não? Não se sabe quando isso aconteceu, mas os seres humanos começaram a depender de uma forma perigosa de tecnologia: sabemos cada vez menos coexistir com a natureza e cada vez mais com aplicativos que “tornam a nossa vida mais fácil.” As novas gerações têm parado de buscar respostas em livros porque elas preferem usar o Google e a comunicação face-a-face é mais escassa do que antes, tanto que é cada vez mais comuns relacionamentos românticos via chat.

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM, de sua sigla em Inglês), a Associação Americana de Psiquiatria (APA) e a Organização Mundial da Saúde não reconhecem esses transtornos como parte de patologias mentais, mas é um fato que são cada vez mais fortes e frequentes.

O psicólogo José Molina disse que a maioria dessas síndromes são uma reação em cadeia, e que a cibercondría ou nomofobia são o resultado do novo sistema social que existe.

A nomofobia é o medo irracional de sair de casa sem o telefone celular ou simplesmente não tê-lo por perto.

A cibercondria é ato obsessivo de consultar na Internet tudo o possível sobre possíveis doenças. É uma mistura de “hipocondria” e cibernética.

“Muitos dos pacientes que chegam à uma consulta preferem perder um avião do que o seu telefone, ou prefere atender o telefone do que fazer sexo”, disse Molina.

As relações humanas estão sendo gravemente afetadas por este fenômeno, que não é única consequência do ritmo de vida que vivemos nesta sociedade. Não temos tempo de conversar cara-a-cara com pessoas, por isso recorremos às redes, não temos tempo de ler um livro, e portanto pesquisamos no Google, e não temos tempo muito menos dinheiro para visitar o médico. A recomendação de que os especialistas dão é evitar que as crianças tenham um relacionamento excessivo com a tecnologia desde cedo, o que é cada vez mais comum nos dias de hoje.

O que você acha disso?

Responder