O cérebro de 2.600 anos que foi descoberto na lama

0
209

Um crânio humano de 2.600 anos de idade, da Idade do Ferro, foi descoberto em um poço lamacento no final de 2008. Após um exame mais atento, foi descoberto que o crânio continha uma substância amarela incomum que acabou por ser o mais velho cérebro humano preservado da Grã-Bretanha. Agora, pesquisadores descobriram como esse cérebro notável foi preservado tão bem e por tanto tempo: A lama forneceu uma enterro livre de oxigênio. (Clique aqui para ver a imagem)

O York Archaeological Trust foi contratado pela Universidade de York para escavar em East Heslington para uma expansão planejada do campus. A descoberta do crânio completo com uma mandíbula e duas vértebras ainda ligadas foi feita em uma área que havia sido cultivada e desenvolvida desde pelo menos 300 aC. Conforme Rachel Cubitt, da Trust, fez a limpeza do crânio, ela notou algo solto dentro. “Eu olhei através do furo na base do crânio para investigar e para minha surpresa vi uma quantidade de material esponjoso amarelo e brilhante”, recorda Cubitt em um comunicado à imprensa. “Era diferente de tudo que eu tinha visto antes.”

A sobrevivência de cérebros antigos é bastante rara, uma vez que seu tecido adiposo é normalmente absorvido por micróbios no solo.

Em seguida, Philip Duffey, no Hospital Distrital de York, fez tomografias do crânio. “É emocionante que a digitalização tenha mostrado estruturas que parecem ser inequivocamente de origem cerebral”, disse à BBC.

Nos anos seguintes, dezenas de pesquisadores têm estudado o cérebro. A datação por radiocarbono de uma amostra do osso maxilar determinou que o crânio pertencia a uma pessoa que viveu cerca de 2.600 anos atrás. Os dentes e a forma do crânio sugerem que era um homem entre 26 e 45 anos de idade. Com base nas vértebras, os pesquisadores descobriram que ele foi atingido com força no pescoço, e depois decapitado com uma pequena faca afiada.

A cabeça cortada deve ter sido imediatamente enterrada em uma cova em solo molhado e rico em argila. Para a decomposição e apodrecimento ocorrer, é necessário que haja água, oxigênio e uma temperatura adequada para as bactérias sobreviverem, mas se uma dessas coisas está faltando, a preservação deve acontecer. O cabelo, a pele e carne fora do crânio apodreceram, como de costume, mas o interior foi preservado graças ao ambiente selado livre de oxigênio fornecido pelo sedimentos de granulação fina. As gorduras e as proteínas do tecido do cérebro devem ter se ligado para formar uma massa de moléculas complexas e, embora o cérebro tenha encolhido, sua forma e várias características microscópicas foram preservadas. [IFLScience]

Responder