Quais são os limites de temperatura?

0
215

Falar sobre a menor temperatura possível é relativamente simples. A temperatura mais fria do universo é o zero absoluto. Como você deve saber, a temperatura é definida pela agitação das moléculas em um determinado sistema. Por exemplo, um corpo que está quente tem suas moléculas se agitando muito. Do mesmo modo, um corpo frio é aquele que tem baixa agitação de suas moléculas. Como tal, o zero absoluto é, essencialmente, quando todo o movimento para. A temperatura é atingida a -273,15 graus Celsius, ou 0 kelvin. Nós chegamos muito perto desta temperatura. Recentemente, cientistas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) arrefeceram moléculas para apenas 500 bilionésimos de grau acima do zero absoluto.

Mas e sobre a mais quente temperatura possível? Existe um quente absoluto ou uma temperatura máxima?

Bem, as coisas não são assim tão simples como o zero absoluto. Parar todo o movimento é uma coisa, mas como podemos medir o movimento máximo? Como é que vamos levar energia até ao infinito? Teoricamente, é possível. Mas a teoria não é necessariamente o que observamos em nossa realidade física.

Como tal, parece que a temperatura mais alta possível conhecida é de 142 nonilhões Kelvin (1032 K.). Esta é a temperatura mais alta que nós sabemos de acordo com o modelo padrão da física de partículas, que é a física que governa nosso universo. Depois disso, a física começa a quebrar. Essa é conhecida como temperatura de Planck.

Se você está se perguntando, o número se parece um pouco com isso: 142.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000 (que é um número muito grande). Em última análise, isso só pode acontecer quando as partículas alcançam o que é conhecido como  equilíbrio térmico.

O mais próximo que os cientistas pensam que o universo chegou a esta temperatura é, sem surpresa, logo após o Big Bang. Nos primeiros momentos do nosso universo, o espaço-tempo se expandiu tão rápido (um período conhecido como período inflacionário) que as partículas não foram capazes de interagir, o que significa que não podia haver troca de calor. Nesta conjuntura, os cientistas afirmam que, para todos os efeitos, o cosmos não tinha temperatura.

Sem troca de calor. Nenhuma temperatura.

Mas isso rapidamente terminou. Os cientistas afirmam que, apenas uma fração de uma fração de uma fração de segundo após o nosso universo ter surgido, o espaço-tempo começou a vibrar, o que fez o universo chegar a cerca de 10.000.000.000.000.000.000.000.000.000 (1027) Kelvin.

E o nosso universo vem crescendo e esfriando desde este momento.

Apenas para comparação, a temperatura mais quente já produzida por humanos aconteceu no Grande Colisor de Hádrons, o LHC. Quando os físicos esmagaram partículas de ouro em conjunto, por uma fração de segundo, a temperatura chegou a 7.2 trilhões de graus Fahrenheit. Isso é mais quente do que uma explosão de uma supernova. [FromQuarksToQuasars]

Responder