Veja o que aconteceu com os animais na região radioativa de Chernobyl

0
280

Três décadas depois do desastre de Chernobyl em 1986, a precipitação radioativa continua afetando a saúde da vida selvagem local em uma série de maneiras, e pode ser a responsável por altos índices de catarata entre os animais dentro da zona de exclusão. De acordo com um novo estudo que foi publicado na revista Scientific Reports, animais locais que habitam áreas com níveis de radiação são mais propensos a sofrer da doença do que aqueles em locais com níveis de radiação mais baixos.

A catarata é uma turvação da lente, que resulta em uma diminuição na quantidade de luz que atinge a retina. A visão é prejudicada subsequentemente, e a cegueira total pode ocorrer, em casos extremos. Nos seres humanos, as cataratas estão associadas com a idade avançada, apesar de estar relacionada com um certo número de outros fatores, tais como fumar, desidratação, e exposição a radiação ultravioleta.

Todos estes fatores são conhecidos por causar um desequilíbrio entre os níveis de moléculas altamente reativas, contendo oxigênio, que são produzidas durante as reações químicas normais e de defesa natural do nosso corpo por meio de antioxidantes. Isto resulta em danos para as células através de um processo chamado de estresse oxidativo. Os pesquisadores, portanto, procuraram determinar se a radiação de fundo gerada pela explosão de Chernobyl pode ter este mesmo efeito e provocar o desenvolvimento de catarata na fauna local.

Veja o que aconteceu com as animais na região radioativa de Chernobyl

Para testar esta hipótese, eles coletaram 80 ratazanas de 41 locais diferentes na zona envolvendo Chernobyl. Os níveis de radiação de fundo registrados nesses locais variaram de 0,05 a 59,70 microsieverts por hora – o nível médio em toda a Europa é 0,27. Além disso, eles descobriram que mais de 70% dos animais examinados tinham catarata.

Essa alta prevalência sugere que a precipitação radioativa causada pelo desastre de Chernobyl pode estar causando deformidades na visão dos animais.

Ao avaliar o desgaste dos dentes dos animais, os autores do estudo foram capazes de estimar sua idade, e usaram isso para calcular a sua exposição à radiação durante toda a vida. Curiosamente, uma maior frequência de catarata foi encontrada em fêmeas. Embora os pesquisadores não consigam explicar porque os machos parecem ser menos afetados pela radiação, eles propõem que poderia ter algo a ver com a estirpe de reprodução causando maior estresse oxidativo nas fêmeas.

Significativamente, as fêmeas com cataratas mais graves também tendem a ter menos filhos. Isto sugere que menores taxas de sucesso reprodutivo poderiam ser causadas pela catarata, possivelmente porque a visão deficiente prejudica sua capacidade de encontrar parceiros.

A zona de exclusão de Chernobyl é uma área de 30 km, que foi evacuada na sequência da explosão na usina nuclear, e até hoje continua desabitada por seres humanos. Autorizações especiais devem ser obtidas a fim de entrar na zona, e scans de corpo inteiro são obrigatórios após a saída, a fim de garantir que uma pessoa absorveu níveis de radiação dentro do limite aceitável. [IFLScience]

Responder